terça-feira, 8 de março de 2016

Sobre errar

Descobri que tinham uns rascunhos aqui, bem antigos... Gostei e vou postar. Esse é um deles. Perdi a data certa, mas lembro bem da época em que escrevi.


Errar, errar de novo, errar por medo, se arrepender, remoer o erro, tornar a errar, pedir desculpa, o desespero de errar de novo e não saber o que virá. Mas então, se aperceber do erro, do valor do que se perde e procurar (e encontrar) no fundo de si o motivo pra aumentar o esforço e parar de errar. A solução ideal, a mais extremista, a mais correta e mais efetiva, abaixar a cabeça, se desculpar. Respirar fundo e tentar acertar. Dessa vez, todo dia.

segunda-feira, 7 de março de 2016

O que há de novo

Gente, como todas as pessoas que têm um blog abandonado e resolvem reavivá-lo, tenho um projeto de seguir com ele enquanto houver ideias de postagens. A de hoje é bem útil, porque se trata de um cartão de crédito desvinculado de banco, com uma bandeira conhecida e taxas de juros menores, sem anuidades etc. Quase o Emplastro Brás Cubas, certo? É mais um serviço que surge para desestabilizar o quadro engessado dos que costumamos ter no Brasil.


Bom, o cartão é o Nubank. Soube da existência dele por conta de um grupo de Whatsapp que está sempre à frente e sabe das maiores tendências, sejam elas econômicas ou não. A bandeira é Mastercard, e ele é Platinum, o que, na verdade, foi o grande motivo pelo qual resolvi testá-lo. Acontece que os cartões platinum normalmente exigem uma série de requisitos ($$$) para que sejam fornecidos, e têm uma série de vantagens, como cobertura de seguros de viagem, inclusive as cujo destino for algum dos países integrantes do Tratado de Schengen (normalmente quando faz-se uma viagem à Europa, este seguro se faz necessário).


Apesar das vantagens relativas à bandeira do cartão, à isenção de anuidade e das taxas abaixo das praticadas pelo mercado, o que mais me agrada no cartão é a possibilidade de controle da fatura por um aplicativo. É muito legal você saber exatamente quanto ainda resta de limite e o detalhamento da fatura (e das seguintes) a qualquer momento, pelo celular. Além disso, é possível tagear as compras e ver onde cada uma foi feita, bem como bloquear o cartão ou contestar uma compra com um "clique". O boleto é enviado por e-mail, evitando custos e emissão de poluentes com o transporte e impressão.


MAS, rapadura é doce, mas não é mole. Não é só querer e ter o cartão. Deve-se receber um convite e entrar para uma lista de espera ou requerer diretamente no site e entrar numa fila de espera maior ainda. Eu tive muita sorte e recebi a aprovação no mesmo dia, e o cartão chegou em cerca de um mês mas recebi uma indicação.


A boa notícia é que eu tenho indicações para fazer, então se você tem interesse, entre em contato!


ATUALIZAÇÃO: Fui informada, em um comentário, que agora os novos Nubank emitidos não são mais Platinum, mas agora, Gold. Entrei em contato com a companhia e eles confirmaram a informação, e disseram que a mudança foi feita porque a maioria dos usuários não faz jus aos benefícios e a mudança reduziu os custos.

Outra coisa, vi ontem que eles estão começando a pensar em instaurar um programa de milhagem. Aí sim vai ser impecável!



sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Passarim

Passarim é assim, todo inconstância.
Dia tá de um jeito, pedindo carinho, vindo na mão. Noutro, amuado, ou arisco, olhando desconfiado; não corresponde...
Preocupa, será pra sempre? Será que dura? Dá um troço ruim...
Mas fazer o que se, quando se vê, a gente já se afeiçoou?
Pode tentar, desafeiçoa mais nunca. Pode tentar, se afastar... mas a saudade surge e não some mais nunca, nunquinha!
É quase gente, marca saudade funda, no peito. Por vezes, mesmo tendo visto naquele dia mesmo, com horas depois já se morre de saudade que pia.
E o canto? Mais parece poesia.
E de pensar em ficar longe, em perder... Dá um medo! Fala nisso não! E se fala... uma tristeza tão grande que preenche todos os vazios... Muda de assunto! Mas repercute, vezes até por dias. A agonia de não saber o que acontece. Bicho não fala! Seria tão mais fácil se falasse. Essa vida sem conversa direita, só de adivinhar os olhos não é pra quem tem coração não! Porque sofre, viu?! Ah, se sofre... Mas se ama, viu? Ah, se ama.

domingo, 2 de junho de 2013

Demorou, mas chegou!

Lembra daquela postagem em que eu falava de uns filmes em que atuei, e que tava esperando meu amigo diretor editar um deles? (Sim, ele é super multifacetado, dirige, escreve, edita... Por vezes até atua!).

Então. Ele reuniu as forças e conseguiu acabar a edição. A première foi na casa dele, semana passada e eu fiquei impressionada com a qualidade!! Ficou muito legal.

A história é sobre uma transação feita entre uma mafiosa super carismática, bonita e mau caráter e um outro mafioso, acredita-se, um pouco mais honesto (não se sabe se a parte dele foi deveras cumprida).

Já tá no Youtube!!!

Assistam:


terça-feira, 7 de maio de 2013

Plim!

Bem. Essa postagem é um tanto quanto... hm... polêmica? Não sei se essa é a palavra. Acontece que ela era pra ter sido uma das primeiras do blog. O que aconteceu? Encomendei um desenho ao meu ilustrador oficial e quando ele me entregou não tinha mais o timing. Não sei se ele ficou chateado por eu ter guardado por tanto tempo a figura sem usá-la. Desculpa, Guto, de verdade! Chegou o momento de expor a sua obra! : )

Trata-se de um vídeo quem alguém (acho que a Rebeca) me mandou uma vez e, nossa! Como a gente é levado a não ver o que ele mostra! Uma vez eu estava numa aula de sociologia com um professor fabuloso e ele disse uma coisa que eu achei fantástica: que a sociologia é o estudo da sociedade que se equipara àqueles negócios que suspendem o carro nas oficinas e nos permite olhar de baixo o funcionamento. Ele disse que é isso o que a sociologia faz: suspende a sociedade para permitir que observemos seu funcionamento de baixo. 



Acho que é bem isso o que faz esse vídeo. Ele retrata o mundo sob um ângulo bastante incomum. É um tanto quanto perturbador, até porque ele não diz exatamente o que devemos fazer com aquelas informações de forma a mudar o quadro, MAS, o legal é que ele dá conta de ampliar a visão de quem o assiste, conseguindo fazer com que repensemos alguns hábitos e tragamos ao consciente algumas coisas sobre as quais nunca pensamos. Bom, posso estar sendo meio Poliana, mas eu juro que isso acontece comigo. Somos criados num ambiente que nos induz a agir conforme algumas convenções e o vídeo alardeia o quão doentio isso é. Inclusive a alienação. Não tá entendendo? Assista: 


Já assisti três vezes e hoje uma professora exibiu em sala. Achei que era a hora.

Recomendo que se assista de quando em quando. Só pra reforçar, sabe como é? A gente respira convenções, é bom tomar um ar puro às vezes.


Só uma observação: entre anti-consumismo e comunismo há um abismo, ok? (Virou até uma riminha). Não preciso explicar muito mais pra quem me conhece, né gente? Também não quero entrar no mérito político aqui no blog pra não ofender ninguém. Aqui é um espaço de coisas leves, pra discussões políticas eu uso grupos do facebook.
; )

Quase me esqueço: mesmo esqueminha dos vídeos, ok? Se sair do ar, avisem nos comentários ou busquem por "A História das Coisas" no YT.

domingo, 5 de maio de 2013

É só o Cícero.

Não é nem que eu tenha nada pra falar, não, me desculpe. É só o Cícero pra aninhar o domingo.



Ah, diz aí se não é bom!

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Estimas

Pra começar bem bem a semana, vou recomendar um cara sensacional que descobri esses dias. O nome dele é bem diferente, e a música também não me pareceu muito convencional. É leve e legal de ouvir.

Trata-se de Devendra Banhart. Canta em inglês, em espanhol, com o Amarante... Já ouvi dois álbuns e recomendo os dois:

Mala, o mais recente, com destaque para Your Fine Petting Duck, A Gain e Für Hildegard von Bingen.

Segue o link: Mala


Smokey Rolls Down Thunder Canyon, o outro, que conheci a partir de uma música que o Youtube me recomendou, Bad Girl. Por ora é a única cujo nome já aprendi, então a única que posso recomendar, especificamente. Mas o álbum como um todo é bem bom.

Segue o link: Smokey Rolls Down Thunder Canyon

Além de tudo, é ridiculamente lindo...

Uma boa semana (porque desejar domingo de madrugada é muito mais de bom tom (e menos irritante) do que desejar segunda pela manhã! Hahaha).